Polippo

/Mag

"Sobre [real] cidade"

04.12.2017

Estava lá eu pelas minhas andanças, em Chapada dos Guimarães no Centro Geodésico da América Latina, sob as coordenadas: 15º 35' 56" S, 56º 06' 05" e com olhos esbugalhados e atentos com aquele coral das rochas, munida com a prontidão que os dispositivos móveis nos permitem, e começo a armazenar esquadros de uma realidade até então cotidiana na transversal.

Desses esquadros veio à tona a catarse visual que dialoga, a propósito do poder e do homem em suas manifestações por intermédio da natureza. Visualizem um grande e quase indescritível paredão de pedra – sim, é de pedra – corrompido pela personificação mais altiva de comunicação. As Torres. As pontes. As cercas. Os arames. Os fios. Eu digo corrompido, porque aquilo não é mais virgem; sem tabus. Digo mais de nós como sendo essas ‘estruturas humanas’. Assim como, somos uma soma de ‘concretude’ com aquilo que é ‘natural’, ‘pré-existente’ e ‘só’.

Juliana Polippo apresenta sua primeira exposição “Sobre [real] cidade”, toda reticente a respeito de um inequívoco questionamento natureza-homem.

Giovana Haddad

Voltar